• Vinho Magazine

Ácido Tânico protege da COVID-19?

Estudo de Taiwan sugere que o ácido tânico presente no vinho pode oferecer alguma proteção contra o novo Coronavírus


POR DR. JAIRO MONSON DE SOUZA FILHO



A seguir, alguns conceitos para melhor entender a relação dos taninos com a Covid-19:

Vírus: São microrganismos muito simples. Eles são constituídos por um núcleo de ácidos nucleicos (material genético) envolvidos por uma capa formada por proteínas. Os vírus, para se reproduzirem e causarem doenças, precisam entrar numa célula.

Coronavírus: É uma família de vírus, conhecida há mais de 50 anos, que causa infecções respiratórias em humanos e animais.

Sars (Severe Acute Respiratory Syndrome): É infecção respiratória viral aguda e grave, potencialmente fatal.

Sars-CoV-2 (Sars Corona Vírus- 2): é o coronavírus causador da Covid- 19. “2” porque um outro coronavírus foi responsável por uma epidemia de Sars, no início deste século.

Covid-19 (Corona vírus desease-19): Doença causada pelo Sars- -CoV-2 descrita em 2019.

Ácido tânico: é um polifenol da classe dos taninos, presente em quantidade significativa nos vinhos, com efeitos conhecidos sobre a saúde humana.

Protease transmembrana serina 2 da superfície celular (TMPRSS2): proteína existente na membrana celular que tem uma afinidade química com uma das proteínas do Sars-CoV-2. Quando essa proteína do vírus se liga à TMPRSS2 na parede da célula, o vírus tem acesso liberado para o interior da célula e desse modo se reproduz e pode causar doença.


A seguir, algumas considerações para melhor entender a relação dos taninos com a Covid-19.

Um estudo realizado em Taiwan e publicado em dezembro de 2020 na revista American Journal Cancer Research, recebeu ampla divulgação na

mídia leiga e chamou atenção das pessoas em geral. Isso porque relacionou o ácido tânico com uma possível prevenção da Covid-19.

Os cientistas, nesse artigo, demonstraram em laboratório que o ácido tânico se liga com facilidade a TMPRSS2 e, desse modo, impede a entrada do Sars-CoV-2 na célula. O estudo sugere (apenas sugere, não demonstra!) que isso pode levar a uma proteção ao desenvolvimento da Covid-19.

Outras substâncias que também se ligam à TMPRSS2, como o Remdesivir (um medicamento antiviral), em estudos clínicos, não mostraram melhora significativa da Covid-19. Os achados de laboratório muitas vezes não se reproduzem em humanos, que são máquinas biológicas muito complexas. A relação do ácido tânico com a Covid-19 é ainda uma questão em aberto. Mais estudos são necessários para que se possa dizer que a ingestão de ácido tânico (ou mesmo de vinho) protegem contra a Covid-19.

Não existem estudos publicados que tenham avaliado o consumo de vinho e incidência de Covid-19.

Há muitos anos, alguns estudos já demonstraram que outros polifenóis existentes no vinho, como as Catequinas, as Procianidinas, a Quercitina e o Resveratrol também são capazes de impedir que alguns vírus entrem na célula e, por consequência, causem doenças.

O ácido tânico está presente no vinho, mas a gente sabe que nessa bebida quase tudo é diferente. O próprio ácido tânico é um exemplo. Ele, sozinho, é intragável e danoso; é utilizado para curtir couro! No entanto, no vinho, ele é responsável por uma série de atributos virtuosos. Isso é mágico! É difícil entender por que no vinho ele é tão diferente! É por isso (e muito mais!) que o vinho é uma bebida fascinante e, segundo muitos, divina!